Fazer uma reserva

Salon Proust

Não existe ritual mais delicado do que o afternoon tea.

Este momento privilegiado de final de tarde, em que as conversas se prolongam, é a ocasião propícia para todas as confidências.

O Ritz Paris não foge a esta regra do bom viver e propõe duas horas de chá, cada uma num estilo e cenário diferentes.

O chá à francesa no Salão Proust

Curioso, parisiense até à ponta dos cochichos dos quais era testemunha, o autor de “Em Busca do Tempo Perdido” fez deste salão-biblioteca o seu espaço de eleição.

Um observatório no coração do Ritz Paris e de onde nada que pudesse alimentar a sua inspiração lhe escapava.

Assim batizado em sua memória, este lugar revestido a madeira e com uma lareira crepitante que se acende nos meses de inverno, tornou-se uma “passagem obrigatória” do hotel.

É aqui que o Chefe Pasteleiro François Perret propõe diariamente “um chá à francesa”, um momento privilegiado em que nos serve as lembranças dos biscoitos, bolo mármore e madalenas da sua infância.

Tudo isto antes das 18h00, quando o Salão Proust se transforma num bar de champanhe.
Chá à francesa, todos os dias das 14h30 às 18h00.
Bar de champanhe, todos os dias das 18h00 às 20h00.

Afternoon tea no Bar Vendôme

No coração do hotel, o Bar Vendôme acolhe diariamente sob a sua cúpula envidraçada um ritual tipicamente "british", servido de acordo com as regras da arte: o afternoon tea.

Serviço à inglesa com pequenas sanduíches, salgados e scones, antes de terminar com uma pastelaria do Chefe Pasteleiro François Perret à escolha no carrinho.

Encontramos aqui as suas melhores criações, que vão mudando em função das estações: o seu mil-folhas, o cheesecake, a madalena, o barquinho...

A conhecer

Venha conhecer o Chefe Pasteleiro François Perret

Mestre na arte de criar obras clássicas contemporâneas, fez do Salão Proust um local para um momento, um momento para um local: o de um chá à francesa, que devolve à confeitaria toda a sua nobreza.


Palitos de champanhe, rolinhos, florentinos, tartes de açúcar e pãezinhos de cacau com pepitas de chocolate seguem-se à procissão de chás de luxo da prestigiada casa TWG, “para que cada um encontre a sua madalena", refere o talentoso pasteleiro com um sorriso.

Poderá desfrutar

Uma madalena
de porcelana

Em porcelana branca de Limoges, o serviço de chá do Salão Proust é, até ao mais ínfimo pormenor, também uma homenagem ao escritor.

Criado à medida pela casa Haviland para o Ritz Paris e para este momento privilegiado, em todas as peças – dos pratos ao bule – destaca-se essa famosa pequena madalena de Proust.

Estilizada, é o fio de ouro de um tempo redescoberto.

Era uma vez

O tempo redescoberto

Presente na inauguração do hotel, Proust fez imediatamente do Ritz Paris a sua segunda casa e uma fonte de inspiração sem igual.
Tinha a sua sala privada, onde recolhia as confidências das pessoas do meio literário e aristocrático, para depois, de forma quase perversa, se deleitar a alimentar a sua obra.